Verão é propício para alta de dengue, zika e chikungunya

 (Crédito: Divulgação)

A temporada de verão chegou e com ela, também a crescente nas chuvas e a maior preocupação com as arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti: dengue, zika e chikungunya. Para os cearenses há um misto de sentimento, felicidade pelos açudes enchendo e preocupação pelos alagamentos e alarme para a proliferação do Aedes aegypti. Uma nova preocupação nesse cenário tem sido a febre do mayaro, também transmitida por mosquitos silvestres, o mesmo da febre amarela silvestre, que aumentam nessa época do ano. Os sintomas são semelhantes aos da chikungunya: febre, dores de cabeça e muscular, além de manchas avermelhadas na pele.

Em 2019, foram notificados 30.818 casos de dengue no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), sendo 45,9% confirmados. No total, mais de 16 mil casos de arboviroses foram registradas no Ceará em 2019.

Nessa época, a procura por repelente é intensa e o produto se torna quase item obrigatório nos carrinhos de supermercados dos consumidores obstinados por afastar os insetos e evitar as picadas de mosquitos, como o Aedes aegypti.

Segundo Luciana Sena, Química Responsável na Cigel Cosméticos, o Repele Mais possui em sua formulação, ativos que garantem proteção contra a picada de mosquitos, muriçocas e pernilongos, mantendo esses insetos afastados. “A formulação do produto permite seu uso durante o dia ou à noite, com eficácia de longa duração. O produto é dermatologicamente testado e por conter o deet e o óleo de citronela em sua composição, atua fortemente na proteção contra picadas de Aedes aegypti”, revela Luciana.

Compartilhe: